EUREKA

EUREKA é o nome de uma rede pan-europeia de organizações industriais de I&D (investigação e desenvolvimento) orientadas para o mercado que apoia a competitividade das empresas europeias através da criação de vínculos e redes de inovação. O programa EUREKA oferece aos parceiros do projeto um conjunto de conhecimentos, competências e experiência provenientes de toda a Europa e facilita o acesso a regimes de financiamento nacionais, públicos e privados. Estabelecido a 17 de julho de 1985, este programa integra já 39 países europeus e a Comissão Europeia, tendo como base a cooperação e igualdade de todos os seus membros (Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Croácia, Dinamarca, Eslovénia, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Inglaterra, Irlanda, Islândia, Israel, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Macedónia, Malta, Mónaco, Noruega, Polónia, Portugal, República Checa, República. Eslovaca, Roménia, Rússia, São Marino, Sérvia, Suécia, Suíça, Turquia, Ucrânia, União Europeia).

O gabinete de Portugal apoia empresas que procurem parceiros e financiamentos para o desenvolvimento de um projeto EUREKA. 

A iniciativa EUREKA tem como objetivos fundamentais estimular a produtividade e a competitividade da indústria europeia, promovendo a ligação entre as empresas que produzem produtos e serviços, as instituições de I&D e as universidades. Pretende ainda promover a cooperação entre empresas e institutos para que desenvolvam em conjunto produtos tecnologicamente inovadores com perspetiva de mercado a nível europeu e mundial.

O selo EUREKA traz vantagens competitivas para as empresas, produtos e serviços inovadores porque lhes confere notoriedade e visibilidade internacional associada a uma imagem de excelência. Reconhece-se publicamente que se está a desenvolver um produto, processo ou serviço tecnologicamente inovador, de elevado potencial e qualidade.

A Iniciativa EUREKA apoia três tipos de projetos: 

Projetos EUREKA
Trata-se de projetos que envolvem participantes de pelo menos dois Estados-Membros, com o objetivo de desenvolver um produto, processo ou serviço inovador que venha a revelar-se de sucesso no mercado.
 
Alguns destes projetos estão agrupados em redes temáticas às quais se atribui o nome de “Umbrellas”. Estes compõem uma associação de pelo menos cinco redes nacionais num campo específico de tecnologia ou serviço.
 
Umbrellas:
 
  • EUREKA TOURISM PLUS (2013 - 2018)
  • EUROAGRI FOODCHAIN 2 (2014 - 2018)
 
 
Atualmente não existe nenhuma rede temática dedicada à área das Tecnologias de Informação e Eletrónica. Existe todavia a possibilidade da criação de um Umbrella subordinado a este tema. Qualquer grupo de empresas e organizações de investigação com interesse pode apresentar uma proposta para a criação de uma rede temática.
Projetos EUREKA-EUROSTARS

Estes projetos distinguem-se pelo facto de serem liderados, obrigatoriamente, por uma PME com reconhecida atividade de I&D. O Programa Eurostars propõe uma nova forma de apoio às PME, com atividades de I&D, sincronizando programas nacionais de apoio à I&D. Os projetos envolvidos deverão resultar de parcerias entre, pelo menos, dois participantes de dois diferentes países Eurostars. O líder do projeto deverá ser uma PME com reconhecida atividade de I&D. 

O financiamento do Eureka – Eurostars tem proveniência nos países que integram a iniciativa (75%) e na Comissão Europeia através do programa-quadro para a investigação e desenvolvimento (25%). 

 2007 - 20132014 - 2020
Países Integrantes300 milhões de € 861 milhões de € 
União Europeia100 milhões de € 287 milhões de € 
Total:400 milhões de € 1.14 mil milhões de € 

 

Portugal não se encontra atualmente presente na rede Eureka Eurostars não podendo entidades portuguesas participar no próximo convite à apresentação de propostas.

Projetos CLUSTER

Falamos aqui de projetos estratégicos, a longo prazo, para o desenvolvimento de novas tecnologias, envolvendo um grande número de participantes, entre eles as maiores empresas europeias.

Através de convites regulares para apresentação de projetos, os Clusters aproximam grandes, pequenas e médias empresas, institutos de investigação e universidades de maneira a permitir a partilha dos riscos e benefícios associados às atividades de inovação. Pretende-se aqui o desenvolvimento e comercialização de novas tecnologias para assegurar a liderança europeia no mercado mundial.

Concernentes à matéria em estudo, existem atualmente quatro clusters dignos de maior detalhe:

A rápida evolução dos sistemas inteligentes de tecnologias específicas utilizadas num conjunto restrito de mercados para uma ampla gama de tecnologias aplicadas a grandes mercados exige uma ação dinâmica por parte das indústrias mundiais das áreas da eletrónica e microeletrónica.

O cluster EURIPIDES² promove o desenvolvimento de novos produtos, processos e serviços que utilizam ou que permitem a utilização de sistemas inteligentes integrados com base na microtecnologia.

Os projetos, apresentados neste âmbito, envolvem sistemas eletrónicos, avançados e com um selo de confiança, baseados na miniaturização, no baixo consumo de energia, na conectividade através das micro e nanotecnologias, interconexões e embalagens. O seu impacto sentir-se-á em vários setores, desde as ciências biomédicas à aeronáutica, espaço, energia, telecomunicações, controlo de processos industriais, multimédia e e-commerce.

Portugal faz parte do conjunto de países que financia projetos ao abrigo deste cluster.

 

O ITEA3 visa o apoio a projetos de I&D inovadores, voltados para a indústria na área do Software Intensivo de Sistemas e Serviços (SISS). O SiSS é um elemento essencial para a inovação nas indústrias mais competitivas da Europa, como a indústria automóvel, das comunicações, saúde, setor aeroespacial e tecnologias do consumo. Existe um amplo consenso de que até 2030 a mudança e rutura serão características permanentes na sociedade, tronando-se o modo de viver e fazer negócios, fundamentalmente, diferente do que é hoje.

A Tecnologia Digital, que engloba as noções de hardware, software, serviços de TI e software incorporado, tem um papel importante a desempenhar neste domínio em mudança.

Para a Europa, uma indústria forte na inovação de software é um pré-requisito para a manutenção da competitividade global e garantia de empregos de alto valor na tecnologia digital e noutras, as indústrias mais tradicionais, que são dependentes de tecnologia digital.

Dado que o ITEA3 é um Cluster EUREKA, a comunidade está fundada na Europa com base nos princípios EUREKA e está aberto a participantes de todo o mundo.

 

Numa altura em que o espaço europeu de telecomunicações necessita de transitar de uma indústria orientada para a infraestrutura e conexão para uma indústria orientada para os serviços e aplicações, surge o CELTIC Plus com o objetivo de suprir exatamente as necessidades de apoio da indústria europeia.

Dedicado a soluções de telecomunicações para o utilizador final, as quatro áreas de trabalho CELTIC Plus são: (1) infraestruturas de banda larga; (2) serviços de banda larga; (3) redes óticas e (4) segurança e serviços móveis.  

O cluster CELTIC Plus tem como participantes grandes empresas europeias de telecomunicações como é o caso da Alcatel, Ericsson ou Nokia ou das operadoras British Telecom e Deutsche Telekom.

 

  • PENTA (2016 - 2020)

O PENTA representa a parceria pan-europeia em micro e nanotecnologias e aplicações. Como outros clusters da EUREKA, baseia-se num forte apoio de atores significativos da indústria: os sócios fundadores incluem empresas como a Airbus e a Audi, e membros do Electronic Leaders Group, Infineon, Globalfoundries, NXP, Fraunhofer, ASML, SOITEC e IMEC. O cluster dará especial ênfase à inclusão de PME nos projetos de investigação que irá criar.

A PENTA baseia-se nas iniciativas passadas da EUREKA em microeletrónica JESSI, MEDEA, MEDEA+ e CATRENE, e pretende igualmente manter a liderança europeia em segmentos de mercado de aplicações eletrónicas como o de saúde, o automóvel, o de automação industrial, o de segurança e o da energia.